A exposição, criada a partir do filme Retratos de identificação (Anita Leandro, 2014), é composta de instalações sonoras e fotografias relacionadas à prisão de quatro pessoas, uma delas assassinada sob interrogatório e duas outras banidas do território nacional. Presos juntos, em 21 de novembro de 1969, no Rio de Janeiro, Antônio Roberto Espinosa e Maria Auxiliadora Lara Barcellos contam como oficiais e suboficiais do I Exército mataram Chael Charles Schreier, depois de uma noite de violentas torturas no DOPS e na PE da Vila Militar. Trocado pelo embaixador suíço Enrico Bucher, Reinaldo Guarany fala dos anos de exílio, sem documentos, e do suicídio de Maria Auxiliadora em Berlim, em 1976. Pela primeira vez, foi mostrado um conjunto de fotografias do DOPS da Guanabara, hoje sob a guarda do Arquivo Público do Estado do Rio

de Janeiro. São retratos de identificação policial de presos políticos, fotografados em diferentes situações: atos de prisão, tortura, exames de corpo de delito e processos de banimento. Agora, essa documentação ressurge como prova de crimes e atos violentos perpetrados pelas forças armadas e pela polícia civil contra os prisioneiros. O projeto é fruto da parceira entre

a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

e a Comissão de Anistia, por meio do projeto "Marcas da Memória", da Comissão de Anistia, teve por objetivo dar apoio às iniciativas de memorialização produzidas pela sociedade civil

e agregar à política estatal de reparação um processo de reflexão e aprendizado coletivo, fomentando ações locais, regionais e nacionais que permitam a emergência de olhares plurais sobre o passado.

 

SERVIÇOS

Produção executiva

Produção museográfica

Fotografia

 

PRODUTOS

Exposição CCJF - RJ

 

PATROCÍNIO

Fundação Rui Barbosa

Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

MAIS INFORMAÇÕES

Arquivos da Ditadura

Show More

ARQUIVOS DA DITADURA

2014