A exposição, criada a partir do filme Retratos de identificação (Anita Leandro, 2014), é composta de instalações sonoras e fotografias relacionadas à prisão de quatro pessoas, uma delas assassinada sob interrogatório e duas outras banidas do território nacional. Presos juntos, em 21 de novembro de 1969, no Rio de Janeiro, Antônio Roberto Espinosa e Maria Auxiliadora Lara Barcellos contam como oficiais e suboficiais do I Exército mataram Chael Charles Schreier, depois de uma noite de violentas torturas no DOPS e na PE da Vila Militar. Trocado pelo embaixador suíço Enrico Bucher, Reinaldo Guarany fala dos anos de exílio, sem documentos, e do suicídio de Maria Auxiliadora em Berlim, em 1976. Pela primeira vez, foi mostrado um conjunto de fotografias do DOPS da Guanabara, hoje sob a guarda do Arquivo Público do Estado do Rio

de Janeiro. São retratos de identificação policial de presos políticos, fotografados em diferentes situações: atos de prisão, tortura, exames de corpo de delito e processos de banimento. Agora, essa documentação ressurge como prova de crimes e atos violentos perpetrados pelas forças armadas e pela polícia civil contra os prisioneiros. O projeto é fruto da parceira entre

a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

e a Comissão de Anistia, por meio do projeto "Marcas da Memória", da Comissão de Anistia, teve por objetivo dar apoio às iniciativas de memorialização produzidas pela sociedade civil

e agregar à política estatal de reparação um processo de reflexão e aprendizado coletivo, fomentando ações locais, regionais e nacionais que permitam a emergência de olhares plurais sobre o passado.

 

SERVIÇOS

Produção executiva

Produção museográfica

Fotografia

 

PRODUTOS

Exposição CCJF - RJ

 

PATROCÍNIO

Fundação Rui Barbosa

Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

MAIS INFORMAÇÕES

Arquivos da Ditadura

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

ARQUIVOS DA DITADURA

2014